DANÇA II

Tua mão na minha nuca
Toca fervente
Deixa, como marca de gado,
A impressão do desejo latente
Gira, gira e gira
Cabelos tampando a visão
E não sei pra onde vamos

Mas sentindo tua pela molhada
Grudando na minha
E a força das tuas pernas
Minha vontade aumenta
E sigo seguindo teus giros
Até onde o peito aguenta

Anúncios
Publicado em Poesia | Deixe um comentário

FOTO

Hoje eu vi sua foto

E lembrei que já te amei

Faz tantos anos…

Na imagem gelada quase não consigo ver

Tudo que senti

Na foto não existe a tua voz grave

Seu tom de deboche

Nem as ideias com as quais nunca concordei

Na foto mora uma lembrança inanimada

Dos teus olhos

Do tempo em que eu não respirava

Publicado em Poesia | Deixe um comentário

HAIKAI DA SOLIDÃO

Tantas palavras

Pra esse cansaço

E eu só queria um toque

Publicado em Poesia | Deixe um comentário

SP

É verão

Um amarelo brilhante deveria

Estar lavando o céu lá fora

Mas minha cidade está cinza

E chora

 

Sou como a cidade

É verão na minha vida

Mas minha alma está cinza

E eu também choro

Sem dever chorar

Publicado em Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

ESSA NÃO SOU EU

 

O que você quer de mim?

Quer chamego e colo?

Cuidados de mãe?

Quer minha pele fervendo

Grudada na tua?

Quer que eu me debruce na sua cama?

Que te acorde com carinhos?

 

Ou quer apenas a certeza

Mesquinha de que há alguém aqui?

Alguém tua, como um cão.

Esperando o que pode cair da tua mesa.

Essa não sou eu, saiba.

 

Estou mais pra gata do que cadela.

Na rua e na luta

Por mim.

Meu carinho é doce e sincero,

Meu corpo, quente e forte.

E posso ser mãe e ser puta, sim.

Posso ser tudo que alguém fantasiar!

Mas não me troco por migalhas,

Essa não sou eu.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

TEU RISO

Me encanta ouvir

A música do teu riso

Ruído doce no pé do ouvido

Embalando meu dia

Me fazendo lembrar

…a pele macia

…os dentes lindos

…o olhar de menino

Me fazendo perguntar

Por que ainda não fui tua?

Publicado em Poesia | Deixe um comentário

COCEIRA

Estou coçando

Pequenas sementes correm debaixo da pele

O vergão que forma mostra o caminho

Pra fora de mim

A lua me me chama

E preciso sair

Preciso rodar no meio do mato

Sentir a mata preencher meu vazio

Arrancar a nuvem que me embota a cabeça

Lavar você do peito, de baixo da cachoeira

O vento está mudando!

Estou empoleirada sobre a pedra

Sentindo o Sol

Sentindo o ar

Ouvindo o rio

Que vai tirar essa coçeira que sinto

De partir

De voar

Publicado em Poesia | 1 Comentário